quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A contar tostões

No final do dia, depois do trabalho, passei no P.D. para comprar pão como é habitual. Quando me dirigi para a caixa, na minha frente, estava uma rapariga que colocava menos de meia dúzia de produtos no tapete. Antes do "caixa" começar a registar ela diz baixinho
- "Espero que não passe dos 5,00 € não tenho mais que isso...." 
A conta somou 5,30 €. A rapariga, retirou do saco um iogurte e envergonhada disse:
- "...se puder retirar isto da conta...não tenho mais dinheiro..."

Retirei 30 cêntimos da carteira entreguei à rapariga. Ficou perplexa, talvez incrédula. Fez mil agradecimentos e despediu-se referindo um Deus lhe pague. A minha filha olhou para mim e disse:
-Mãe, és tão boa pessoa.

A verdade é que percebi desde logo que a rapariga em questão estava mal nutrida e que certamente teria dificuldades financeiras. Para além disso, o que levava era sopa, fruta e iogurtes, alimentos que considero de primeira necessidade. Com toda a certeza, não me teria oferecido para pagar se os artigos fossem outros, como álcool, ou tabaco, ou mesmo guloseimas. O que aquela rapariga queria era alimento, simples alimento e não tinha mais que 5,00€.

Infelizmente, este tipo de cenário começa a ser cada vez mais frequente e, da maneira como as coisas estão, com o governo a sugar-nos até ao tutano o que temos e o que não temos, não me admira ver pessoas que embora não transpareçam pobreza, começam a dar sinais de que ela está a afectar, cada vez mais, o nosso País.

Imagem retirada da net sem qualquer manipulação

19 comentários:

  1. Contar tostões foi uma coisa que eu vi a minha mãe fazer há 30 anos. Infelizmente estamos outra vez na mesma.

    Parabéns pela tua atitude. Fizeste a diferença num mundo actualmente tão "umbiguista".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que cada vez mais voltaremos a ver essa realidade.
      Não caminhamos para melhor :(

      Eliminar
  2. Infelizmente é uma realidade que está cada vez mais presente no nosso dia-a-dia! Com o Governo que temos, com os cortes que temos e vamos ter ainda mais, nem sei onde isso vai parar. A Marta tem um bom coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu sinto o peso dos impostos e tenho cada vez menos qualidade de vida. Todos nós. Custou-me ver que aquela rapariga poderá ser qualquer um de nós, que hoje, ainda tem dinheiro para o essencial.

      Eliminar
  3. E o homem de Boliqueime a assobiar para o lado...
    :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os do topo são os que menos se preocupam com a miséria alheia.

      Eliminar
  4. Parabéns, foste fantástica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho a certeza que farias o mesmo.

      Eliminar
  5. Bela atitude a tua- a cada dia que passa mais gente passa fome :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha atitude teria sido a tua também, tenho a certeza.

      Eliminar
  6. Nunca pensei, mas já sei o que é contar tostões. A vida muda e nem sempre é fácil.

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Marta, também eu te digo, és uma boa pessoa!
    é assim que devemos todos ser! mais solidários!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu também o és, Estrela.

      Eliminar
  8. Gostei bastante da tua ação! Temos que ajudar quem tem menos que nós. Também já fiz o mesmo, coincidência ou não, na caixa de um PD. Uma mãe e uma filha dos seus dez, onze anos. O dinheiro não chegava, estavam a tirar coisas de dentro do saco e eu disse à funcionária que pagava a diferença. E às vezes quando vou a entrar está alguém a pedir e já tenho comprado pão, fruta, leite, fiambre e queijo e pacotes pequenos de leite e ao sair entrego a quem pede. E sentimo-nos tão bem ao saber que ajudámos, pelo menos, aquela pessoa. É ou não é Marta? Beijinho muito grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo.
      Para mim caridade tem de ser imediata. Não acredito nas instituições que dizem recolher fundos para quem mais precisa. Eu tenho a necessidade de saber que a minha ajuda chega a quem de direito. Também já fiz um ano de voluntariado junto dos sem abrigo e sei bem que as tais instituições são donas de contas bancárias chorudas e para a rua mandam só mesmo as sobras :/

      Eliminar
  9. Pensei que tivesse escrito alguma coisa aqui...

    Fizeste bem amiga, generosidade é muito importante, e há algo de especial em quem dá de coração livre. Penso que sempre retorna em coisas boas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desejo em dobro tudo o que desejam a mim.
      Sou de ajudar o próximo, porque que um dia, posso ser eu a precisar.

      Eliminar
  10. Lindo gesto Marta! :)
    Se todos fossemos assim uns para os outros, este mundo seria bem melhor!

    ResponderEliminar

Talk to me ;)