sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Recomeço


Fotografias dos recortes dos dois jornais que mencionavam a notícia.

Não foram poucas as vezes que tive de recomeçar, mas a mais dolorosa, foi no quente mês de Agosto de 1998. Estava a passar o fim de semana na Costa da Caparica com familiares e o meu namorado, de quem estava noiva. Na noite de sábado, depois do jantar, os mais velhos sentaram-se no terraço a jogar às cartas. Eu, estava cansada e acabei por adormecer.

Era madrugada quando o meu namorado me acordou. Ainda hoje me lembro do que vi nos olhos dele - o medo. Queria dar-me uma má notícia, mas queria encontrar a melhor forma do o fazer, no entanto, não há uma boa forma de dar uma má notícia, esta é o que é, má!

A minha casa estava a arder. O que se sabia era pouco, apenas algumas palavras que lhe balbuciaram ao telefone, articuladas por alguém ainda incrédulo do que estava a acontecer. Na minha casa, local do incêndio, estava a minha avó paterna, o meu tio e a minha gata. O meu primeiro pensamento foi de que estas vidas estariam em perigo e pedi ao M. que me levasse até Lisboa. Pedi-lhe com os olhos cheios de lágrimas e o coração na boca. Voou pela Ponte 25 de Abril. O carro parecia rasgar a estrada, sem que dali houvesse qualquer tipo de atrito, que nos atrasasse um minuto que fosse.

Cheguei a minha rua e o aparato era hollywodesco. O prédio já não estava em chamas, mas havia mangueiras e água por todo o lado. Em cinco andares, os três últimos estavam completamente destruídos. O meu era o 4º e o fogo começara no 3º. A minha avó, felizmente, tinha sido socorrida pelo meu tio, que com uma toalha molhada, a tinha arrastado daquele inferno. Salvaram-se os dois.

No meio de toda aquela confusão, os bombeiros com a cara cheia de fuligem, as pessoas na rua de pijama e camisa de noite, o choro dos mais receosos, o cheiro...o cheiro era insuportável, tudo parecia caótico. Insisti com o comandante dos Bombeiros para subir, não via a minha gata e sabia que ela não iria ceder a ninguém de tão rebelde que era. Se estivesse viva, queria ser eu a ir busca-la. Demorou até conseguir convencer alguém. Chorei e pedi por favor, mas sempre lúcida o suficiente para perceber que o que estava a pedir era um perigo. O edifício estava em rescaldo e os bombeiros ainda não tinham desistido daquela missão.

Um deles deu-me a mão. Subimos cada degrau como se a nossa vida dependesse disso. Meti a mão na parede para me equilibrar e senti o calor que parecia devorar o interior do que era a barreira entre o cá e o lá. O cheiro era insuportável. Entre o estalido da madeira queimada, que estava agora ensopada em água, e o cheiro, estava apenas privada de um dos meus sentidos, a visão. Não se via nada, pois não havia corrente eléctrica e a lanterna do bombeiro parecia ser tão fina como uma agulha no palheiro.

Cheguei ao meu andar com as pernas a tremer. Não queria acreditar, que tudo o que materialmente representada a minha vida, estava agora reduzido a pó. O meu quarto havia desaparecido e com ele foram as fotografias, os livros, as lembranças. Ficaram apenas as memórias. No meio dos escombros, em cima de uma pilha de madeira que era, num passado recente, a minha cómoda, estava uma caixa pequena derretida. Percebi que tinham resistido ao fogo, as nossas alianças. De resto, não sobrou mais nada. Só para terem ideia, o meu espólio era uma pequena mochila que tinha levado para passar o fim de semana. Um vestido, um bikini e uma toalha de praia, uma t-shirt e uns calções, a carteira com o meus documentos. Tudo o resto foi-se, assim, numa noite.

O incêndio deu-se no dia 08 de Agosto de 1998 e eu casei a 09 de Setembro desse mesmo ano. Hoje, ao relembrar o passado, percebo o porquê do meu olhar triste nas fotografias de casamento. Para mim, a desgraça era demasiado recente. Recomeçava agora uma nova vida, mas com a memória de uma noite que tento esquecer todos os dias.


27 comentários:

  1. Muito, muito triste! Nem me imagino numa situação dessas! É daquelas situações que nunca mais saem da nossa memória e até dos nossos olhos.

    (Nem quero saber o que aconteceu à tua gatinha...)

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente ficou-se. Não foi possível resgata-la, acabou por inalar muito fumo :(

      Eliminar
  2. Nem quero imaginar a nuvem que pairava sobre o dia do teu casamento... lamento muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita gente vê o álbum e comenta: Nunca vi uma noiva com um olhar tão triste.

      Eliminar
  3. Deve ter sido tão difícil! Nem consigo imaginar... E o casamento tão perto dessa tragédia deve ter sido um esforço enorme. É natural o teu olhar nas fotografias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O casamento já estava marcado há um ano e nada nos fazia prever esta tragédia.

      Eliminar
  4. É horrível perder tudo, imagino o pânico, o terror e o sofrimento dessa noite! Mas pensamento positivo a tua avó e o teu tio saíram ilesos fisicamente. Enfim, não há palavras que te posam reconfortar. Desculpa a pergunta mas, e a tua gata? Ficou bem?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente não foi possível resgata-la, acabou por inalar muito fumo :(

      Eliminar
  5. Nem sei como começar...
    Eu penso que quando vemos a nossa casa a arder é como vermos alguém da nossa família a morrer. Deve custar imenso, tanto que nem consigo imaginar. Vão as nossas roupas, a nosso ninho, os nosso livros, os nossos recantos, vai parte da nossa biografia e identidade. Vai o nosso casulo que com muito esforço e amor fomos construindo.
    Nos meus tempos de faculdade, um colega desapareceu da nossa vista durante meses. Pensávamos que tinha desistido do curso, mas voltou um ano depois. Ele vivia em Castelo Branco e na véspera de Natal a casa dele ardeu. Não sei quais foram as circunstancias mas ano passado quando ele me contou isso fiquei sem palavras. Poderia imaginar tantas coisas menos aquilo. Ainda hoje ele detesta o Natal por todo o infortúnio à volta daquele dia e daquela situação.
    Admiro-te muitas coisas e uma delas é falares com naturalidade e até com alguma crueza (sem enfeites) sobre alguns assuntos que muitas pessoas talvez nunca falariam. És uma mulher corajosa e que já se familiarizou com os recomeços. Sabe da vida quem passa por estes infortúnios. Tu sabes da vida.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas tuas palavras :)
      Um beijo e um martini.

      Eliminar
  6. Não fazia ideia que tinhas algo semelhante a ensombrar o teu passado. Remexer esse tipo de tragédia não deve ser nada fácil. E de certeza que a emoção acompanhou-te enquanto escrevias este post. Mas é um facto que está no passado e, por isso, há que seguir sempre em frente. ;)
    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, embora não consiga esquecer o momento, sei que faz parte do meu passado.

      Eliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Que história, que vida! Não tem como não se emocionar. Impressionante a tua luta e bravura e o que reconstruístes de vida com a Bia, és guerreira.

    Beijos de cá.

    *reeditei para corrigir a grafia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas tuas palavras Carolina, tens estado sempre por perto.
      Um beijinho de cá ;)

      Eliminar
  9. Mas que horror, eu nem consigo imaginar o que deve ser perder tudo dessa maneira...E a gatinha sobreviveu? :S

    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não :( Inalou muito fumo...

      Eliminar
  10. Deve ter sido horrível, e a gatinha salvou-se?

    ResponderEliminar
  11. Meu Deus! Acho que me lembro desse incêndio...foi o da Av. da Liberdade?
    Lamento imenso...

    ResponderEliminar
  12. Anónimo17.9.12

    Já não me lembrava que o incêndio tinha sido apenas 4 dias apôs o teu aniversário!Eu lembro-me perfeitamente de ter acordado com a a noticia dada de uma maneira muito vaga e de ter ficado horas sem saber o que fazer....na altura não havia telemóvel!!

    Mas olha já passou, já está superado, e isso é o que interessa!
    Beijinhos da chinchilla (que já está melhor da constipação) ;)

    ResponderEliminar
  13. Como poderias ter outro olhar, com uma situação dessas tão recente? E como deve ser difícil recordar esse momento...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  14. Uma história destas partilhada no final de um Verão tão trágico de incêndios comove duplamente...

    ResponderEliminar
  15. O fogo é cruel demais.
    Devora, consome, destrói mas aquece e ilumina quando se nos apresenta como uma parte de si. Uma pequena chama que pode fazer a diferença.
    É comovente a tua história e tal como uma pequena chama crescente, a vontade e a força de superar as perdas são a alavanca para todo o recomeço.

    Bj**

    ResponderEliminar

Talk to me ;)