quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Só me calham duques...

E já lá vai o tempo em que conseguia manter algum ritmo neste meu canto. Tempo é algo que não tem sobrado por estes lados. A minha leitura dos meus blogs favoritos está completamente desactualizada e sinto que o regresso aos tempos antigos está cada vez mais longe.

Bom, enfim, é o que temos.
Mas a minha necessidade de contrariar esta falta de tempo e dar um salto aqui é porque tenho de actualizar esta minha rubrica do Demo. Tenho mesmo, não vá ter problemas de memória no futuro e perder para sempre mais um episódio deste tesouro.

Ora vejamos...
No local de trabalho, eu entro e digo à minha distinta colega a quem gentilmente apelido de Demo:
-O Chefe pediu para lhe ligares para o telemóvel!

Tentou ligar e o chefe estava no momento ocupado ao que lhe pediu para voltar a ligar dentro de alguns minutos. Ela não ligou e passado um bocado ligou ele para falar com ela. Começa a fazer-me sinais com os braços e a sussurra:
- Agora diz-lhe que estou ocupada e que já lhe ligo.

Entretanto, levanta-se e vai ao bar do edifício e traz de lá um panado no pão, em formato gigantesco. Dá uma valente trinca e enquanto limpa a boca com uma mão, com a outra digita no telefone o número do chefe e começa a falar com a boca cheia de comida.

-Tá! E então? O que é que me queria? 
(...)
-Hã? Ahhhh sim...esta a saber-me muito bem, estava cheia de fome!


WTF?
Isto há gente com uma lata. Mas que raio de educação tem esta gente? Ligar ao chefe com a boca cheia??? A sério? Vocês também têm disto por ai, ou é só a mim que me calham estes seres estranhos?

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Estava a ver que não...

Bolas, esta semana custou a passar. Ando desde segunda com a pasta do orçamento e acreditem que já vomito números pelos olhos. Felizmente consegui cumprir com os prazos previstos e ainda consigo dar uma mãozinha na área do secretariado que tanto adoro (not). Assim, nem os "pendentes" do Boss ficam por tratar. LOL...os "pendentes" do Boss...olha, o humor também já chegou, vê-se logo que é sexta-feira!

Aproveitem bem meus amigos, porque segunda-feira está ai ao virar da esquina.
Fui!

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

97...98...99...100

Só mesmo contando até 100. Juro que um dia vou-me passar dos carretos. Já não suporto mais a forma deselegante como o meu Boss me trata. Não há dia nenhum que não transcenda a barreira da má criação. Não que seja ordinário, nunca foi, pelo menos não comigo, mas é irónico, arrogante e tem saídas estúpidas. Há dias que só me apetecia dar-lhe com um agrafador nos c*rnos.
Ainda para mais quando tenho de estar a fazer o meu trabalho e o trabalho da secretária dele que se foi embora há duas semanas. Podia pelo menos mostrar-se grato, pelo facto de dar conta do recado. Modéstia à parte, tenho o trabalho todo controlado, tudo organizado e não faço mais horas do que fazia antes, por isso, estou a revelar uma óptima gestão do meu tempo. Depois, fazendo as contas, sou uma poupança para no orçamento do departamento, afinal, trabalho por duas mas só pagam a uma.
Não fosse eu precisar mesmo deste trabalho...

Haja paciência para aturar este homem.

Se um dia me sai o Euromilhões...ai Boss, tu bem podes fugir da minha frente porque vou virar uma excêntrica com requintes de malvadez.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Afinal...

já não vamos ver o Cat´s.
Vim a descobrir que o Campo Pequeno não é um recinto apropriado para este tipo de espectáculos. Tem graves deficiências de sonorização, de iluminação e a disposição das bancadas também deixa muito a desejar em relação ao palco. Diz-se que o sistema de ventilação dentro do espaço, também não é famoso. Olha, tanto melhor, ainda para mais não sou altamente contra ao tipo de carnificina que se faz nesta Praça de Touros. Diria mesmo que uma arena não é lugar para gatos...nem para mim.

Posto isto, não estou disposta a dar mais de 30 € por um bilhete para ver um espectáculo que mereciam as melhores condições.

Com tanta sala de espectáculos dignas destes felinos...enfim, fica para uma próxima. Eu cá quando pago (e bem) gosto de ser bem servida.

Fui!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Cat´s


No próximo fim de semana queria levar a minha mãe a ver os Cat´s, tal como ela diz, é um sonho que tem desde pequena. Tenho de comprar os bilhetes hoje, sem falta, porque parece-me que sendo o próximo fim de semana o último, é bem capaz de esgotar. Mas a minha dúvida é que lugar escolher. Não conheço o recinto no seu interior, ou melhor, já lá estive uma vez numa feira de vinhos, mas não me recordo das bancadas.

Estava a pensar optar pela área azul escura, já que os bilhetes são a um preço intermédio (32,50 €) e parece-me que deve ter uma boa visibilidade para o palco. Se bem que nas áreas laranja e rosas é mais barato (20,00 € e 30,00€) não há lugares marcados o que pode gerar alguma confusão.

Já algum de vocês assistiu a um espectáculo no Campo Pequeno?
Imagens retiradas da net

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Uma relíquia de família

A B. chega a casa e diz:

- Mãe! Preciso de uma relíquia de família, algo com história, para levar para a aula de OC.

Pensei em vários objectos, uns com mais valor que outros, uns apenas com valor sentimental. Mas como a B. já me tinha dito que a maioria da turma ia levar anéis e fotografias antigas, pensei em algo que lhe pudesse dar algum destaque.

Na minha humilde biblioteca, fui à secção do mofo e desencantei de lá a dita, a Relíquia de Eça de Queirós, a nona edição de 1927, comprada na famosa livraria Chardron, mais conhecida por Livraria Lélo e Irmão, no Porto.

Não são os seus 87 anos que o tornam este livro tão velho e gasto, mas sim a paixão que o meu avó lhe tinha e as inúmeras vezes que o leu e releu. Era uma livro que o acompanhava para todo lado. Passou para a minha mãe e dela para mim.

Hoje, a relíquia de família foi dar um passeio até ao Liceu e a B. chegou a casa orgulhosa da história que levou para partilhar com os colegas de turma. E ainda lhe valeu uma boa nota ;)

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

It's complicated

Confesso que isto não anda fácil...tem sido complicado arranjar tempo para me dedicar à escrita, mesmo que seja para desabafar o que me vai na alma, ou partilhar as coisas mais mundanas que fazem parte desta minha vida.

Temos uma baixa no meu departamento. Não é uma baixa médica, mas sim uma passagem de uma pessoa da nossa equipa para outra área. Isto resulta em quê? Menos gente, mais trabalho. E sobra para quem? Pois! Para mim, claro! Acumulei as funções e agora para além gerir a área técnica, estou a gerir também o secretariado. Se a minha colega dá uma mãozinha? Na...afinal ela só faz part-time e o tempo que está no serviço é para tratar de assuntos pessoais.

Um destes dias passei-me. Estava atrapalhada com umas pastas de arquivo, há procura de um processos e o telefone tocou uma e duas e três vezes, e a boa da minha colega nem pestanejava. Vermelha de raiva, olhei para ela e ironizei dizendo:

-Podes, pelo menos, atender o telefone? Pelo menos isso...

Não gostou muito, mas temos pena, isto aqui não é sala de espera, nem salão de beleza.

Não é o trabalho, ou o excesso dele que me aborrece. O que me deixa mesmo passada dos carretos é ver duas alminhas (a minha colega e o sub-boss) a coçar o rabo pelas paredes o dia inteiro. Fazem tudo menos trabalhar. E no fim, quando se for fazer separar o trigo do joio, ao que apelidam de reestruturação de áreas, são estes belos espécimes da classe trabalhadora que se safam e eu, provavelmente, vou para o olho da rua.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mini Maratona Rock n´Roll

Ontem participei na Mini Maratona, mini em todos os sentidos e eu explico porquê.
Primeiro porque eram apenas 6 km, enquanto a Meia contava com 21 Km e a Maratona com 42 km. Depois porque ia com um grupo que incluía crianças e respectivos carrinhos de mão, um deles era o meu sobrinho. Foi mais uma Mini Caminhada, já que este foi o ritmo dos nossos "piquenos" 6 km que fizemos em 1h40. Não se pode considerar nenhuma façanha, já que nas minha caminhadas semanais, faço 7km numa 1 hora, mas não podemos esquecer da pequenada que tem menos meio metro de perna e como é de esperar tem um ritmo menor.

Os "gajos", esses participaram na Meia Maratona e no final era vê-los a comparar tempos, dores, e músculos das pernas. Os homens são muito vaidosos nestas coisas :)

Eu a e a minha filha, vamos começar a alternas as nossas caminhadas semanais (6ºf, sábados e domingos) entre correr e caminhar. Vamos ver se conseguimos melhorar a nossa condição física para que da próxima a coisa seja mesmo a valer.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A...a...aatchimmmmmmm

Estou com uma constipação FDP.
Parece-me que a idade não perdoa, quando era jovem isto ia lá com sumos de vitamenina C, agora...bom, agora só com drogas prescritas pelo senhor da bata branca. Ando assim há quase uma semana e tenho dois dias para recuperar, caso contrário, no domingo, faço a Meia Maratona da Ponte Vasco da Gama de joelhos. Olha, proveito e vou até Fátima acender uma velinha...não sei quem foi a bruxa que me viu mas cada vez que me constipo zás...é de caixão à cova.

O que vale é que é sexta e...o resto é conversa.

Espero regressar fresca e fofa.

Fui!


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

A minha calteila

Ontem sai do trabalho de rastos. Estou com uma gripalhada "daquelas". Fui direitinha a casa com a sensação que me ia desmanchar pelo caminho. Dores de cabeça, dores no corpo, nariz congestionado, sono...muito sono (efeito secundário da medicação que estou a tomar). Devo ter feito o circuito de olhos smi-serrados tal e qual um zombie. A uns poucos metros de casa, ainda arranjei coragem para comprar pão. Qual não é o meu espanto quando percebo que não tenha a carteira comigo. Poderia ter reagido de mil e uma formas, mas estava tão torpe que devo ter esboçado um sorriso invertido e pensado: Bolas! Perdi a carteira! zzzzzzzz.

Não comprei o pão e fui para casa, no mesmo ritmo, com o mesmo passo, só que agora com uma dor adicional, a da perda.

Em casa expliquei à minha filha que despachadamente me inquiriu:
-Mas tu não te lembras qual foi a última vez que usaste a carteira?
-....zzzz...acho que foi no chinês, na hora de almoço...zzz...fui lá comprar os teus phones.

A B. girou sobre os calcanhares, amarrou o cabelo e disse:
-Não te preocupes, eu trato de tudo. É o chinês ao pé do teu trabalho não é? Ok! Deita-te e descansa, volto já!

Pois que a minha rica filha, pegou nas suas perninhas e voou até ao tal chinês. Chegou lá, explicou a situação e a menina da loja repetiu: A calteila? xim...nome? A B. disse o meu nome completo e até se identificou como minha filha, já que o seu cartão de cidadão também estava na minha carteira.
A César o que é de César!

Ligou-me minutos depois a dizer:
-Mãe! A tua super filha já resgatou a calteila peldida. Já viste a sorte que tens? Já é a 2º vez (aqui) que algo deste género acontece e tu consegues sempre reaver o que é teu. 

...para terminar o dia...deitei-me às 19h00 e só acordei às 07h00 de hoje. Estava KO.

No final do dia vou dar um pulinho ao chinês para agradecer a amabilidade, afinal, foi uma sorte!

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Trilogia Millennium

Depois de ver as duas versões cinematográficas, a original, em sueco, e a americana, decidi ler o livro, o primeiro de uma trilogia que promete ser muito interessante.

É muito raro ler um livro depois de ter visto o filme sobre o mesmo, mas desta vez, estou contente pelo facto de ter quebrado a regra. O livro é fantástico e a história bem mais rica do que o filme nos apresenta. "Os homens que odeiam as mulheres" anda sempre comigo, felizmente, é uma edição de bolso, logo mais pequeno e fácil de meter na mala. Quanto aos outros dois, já os encomendei, aproveitando um vale PPL que tinha da wook, que me ofereceram na sequência da compra dos livros escolares da minha filha. Devem chegar amanhã.

Nestes tempos que correm, é aqui que me tenho refugiado, na leitura.