sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Eu cá enchia-lhe a cara de estalos, isso sim!

Esta coisa dos enchimentos faciais é algo que salta fora do meu espectro de entendimento. Segundo se vê por ai, na literatura cor-de-rosa, as celebridades estão a aderir a esta nova moda, porém, a mim, parece-me que andam a exagerar na dose, ou não fossem parecer sapos depois do tratamento estético.

Vejam o exemplo de Lindsay Lohan. Foi, há uns anos considerada umas das caras jovens, mais bonitas do cinema. Uma cara linda, cheia de sardas, uns olhos fabulosos, lábios e nariz perfeitos. Ainda assim, esta menina achou que precisava de uns retoques.
Hoje, é uma jovem de 28 anos, com cara de matrafona. Está de tal forma horrorosa que não tarda fará frente à Duquesa de Alba.


Esta transformação é chocante. 
Como é que é possível destruir tamanha beleza???

Enchimentos faciais? 
Ela precisava era de um pano encharcado na tromba, isso sim!

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Bicho que quer ser gente

A casa da minha mãe fica no campo, a 10 km da cidade mais próxima. Fica junto à estrada, pela qual só passa quem mora nas redondezas. É um local de paz e plena tranquilidade. Felizmente temos piscina, o que faz com que os dias de calor sejam mais prazenteiros já que a praia fica longe. Mas como o campo é lugar de bichos, são muitas as vezes em que "partilhamos" a piscina com outros seres.

Em casa da minha mãe não se matam bichos por prazer, sejam eles quais forem. Respeitamos os medos e as fobias uns dos outros, mas há sempre quem dê o salto heróico para salvar a bicharada.

Eu tenho horror a aranhas, mas lamento que estas não saibam nadar. Pois que as tipas vão todas lampeiras água dentro e depois zás...morrem afogadas. Quando ainda esperneiam, a minha filha dá-lhes a mão, ou neste caso a rede que serve para apanhar "coisas" de dentro de água. Quando já bateram a bota, a B. tem o cuidado de as retirar da água e colocar, estrategicamente, num local onde as formigas se possam encarregar da marcha fúnebre.
Este é apenas um exemplar do que se apanha por lá...piquena, não?

Mas se a ideia das aranhas vos arrepia, agora imaginem o que é dar com a D. Ermelinda dentro de água. Em casa da minha mãe, tudo o que é bicho tem nome de gente. Pois que a D. Ermelinda é uma cobra que já nos apareceu duas ou três vezes, mas que nunca tinha tido o desplante de mergulhar sem pedir autorização. Valeu-lhe o meu olhar atento, assim que me abeirei da piscina. Com a tal rede que serve para apanhar "coisas" lá se conseguiu retirar a tipa de dentro de água e mandar a senhora de volta para a sua toca. Não a voltámos a ver, suspeita-se que esteja ainda a recuperar do susto.
A D. Ermelinda a banhos!

E porque a casa da minha mãe, às vezes, parece o reino da bicharada, ainda temos a Maria que diz que o galinheiro não é sítio para ela. Arranja sempre maneira de fugir - tal e qual a fuga das galinhas - e depois é ver o pessoal a correr atrás da fulana, para a levar para junto das suas companheiras. É que a Maria é uma gulosa e não pode ver nada que logo começa a bicar, isto a começar pelos nossos pés.
Maria com o seu ar indignado de quem se recusa a viver num galinheiro e atenção que é um T2

Na casa da minha mãe, bicho é gente!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Terapias

Diz-se que é uma boa terapia para relaxar no trabalho. Dizem os entendidos, que devemos dedicar 10 minutos por dia a esta pequena arte, a fim de manter a calma no local de trabalho. Eu demorei uma semana a fazer esta preciosidade, mas a verdade é que foi uma semana puxada, em relação ao volume de trabalho, mas calma em relação ao stress.

Não negues à partida uma ciência que desconheces, já dizia a outra.
Toma e embrulha!

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Acho uma graça...


...aos nomes das senhoras do piquete da limpeza.
A senhora que vem trocar diariamente as chávenas de café chama-se Fanta e a senhora que vem ao final da tarde chama-se Quinta, ambas oriundas da Guiné-Bissau.

Em conversa com a secretária, a Quinta revelou que tem três filhos cujos os nomes são: Fodé, Orangona e Sábado.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Dont be a stranger

Há um tipo, super giro, que trabalha no mesmo edifício que eu, embora noutro departamento. Há anos que "ando de olho nele". É daquele género de homens com pinta, muito bom gosto, barba rala meio grisalha. Deve andar na casa dos recém quarenta. Todo ele é charme. Confesso que é muita areia para a minha camioneta, como se diz por aí, mas a verdade é que é um prazer cruzar-me com ele nos corredores.

Vejo-o muitas vezes no bar da empresa, pela manhã, mas nunca toma por lá o pequeno-almoço. Pede sempre para embrulhar e imagino que coma depois no seu posto de trabalho.

Hoje, chegámos ao bar mais ou menos à mesma hora. Eu pedi primeiro, ele depois. Estava eu na minha mesa a começar a tomar o meu pequeno-almoço quando o oiço dizer:

-Posso fazer-te companhia?

OMG! Fiquei tão encavacada e até gaguejei. Depois, devo ter feito uma conversa de circunstância meio parva...nem me lembro ao certo das baboseiras que disse, só sei que me sentia corada, tal e qual uma adolescente.

Parece-me que há coisas que não mudam, independentemente da idade.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

38 anos e 18 dias


No passado dia 04 de agosto, completei mais uma primavera, ou para ser mais precisa mais um verão. Acordei em Espanha e acabei o dia em Portugal, por isso, passei o dia a fazer o que mais prazer me dá, viajar. Este ano não houve jantar de aniversário com os amigos, apenas o convívio com a família para celebrar, de forma simples, o dia.

Pela primeira vez em 38 anos, percebi o quão é importante ouvir a voz dos AMIGOS nesta data. Talvez por estar longe, talvez porque este ano muitos se esqueceram do meu aniversário, mais do que alguma vez poderia imaginar. Alguns deles, para minha surpresa, nunca antes tinham falhado a data, mas este ano...ficou em branco.

Uns quantos amigos deram-me os parabéns via sms, outros mais ou menos próximos fizeram-no via FCBK, mesmo assim, apenas 16% "publicaram" votos de um feliz aniversário, os outros 84% deviam estar de férias...

Os amigos do peito, os verdadeiros, os que se contam pelos dedos de uma mão, fizeram-no a viva voz.

O dia 04 de Agosto de 2014, não será apenas o dia em que fiz 38 anos, mas sim o dia em que tudo mudou. Resta saber se terá sido para melhor.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Se soubesse o que sei hoje...


Ontem ao telefone:

Ele - Sabes uma coisa? Devias ter aceite a proposta que te fiz há 2 anos!
Eu -  ...
Ele - Devíamos ter emigrado os dois...

No dia 15 de Dezembro de 2011, ele fez-me uma proposta (aqui). Teríamos partido os dois para longe, para o outro canto do mundo. Ele teria ficado ao meu lado e hoje tudo seria diferente.
Na verdade, na altura, o meu coração pertencia a outro e estupidamente deixei ficar, recusei mudar de vida, de terra, de hemisfério, recusei a possibilidade de construir um futuro melhor.

Ó tempo, volta para trás!

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

De regresso

Fiz muito do que queria mas não tive a paz que desejava. Para além de ter de interromper as férias a meio, para ir trabalhar dois dias, o telemóvel teimava em tocar com notícias de arrepiar a pele. O caos ainda reina no mundo profissional, mas agora há que arregaçar as mangas e trabalhar como se nada fosse, afinal...enquanto os cães ladram a caravana passa.

No meio de tudo isto consegui arranjar tranquilidade para ler, já que as férias de Verão representam para mim a época alta da leitura.

Estes foram os escolhidos:
O último - Inferno - ainda estou a meio mas como é o meu favorito desta lista (por isso é que o deixei para o fim) não vai durar muito a acabar.