quarta-feira, 24 de abril de 2013

Sometimes i feel

Imagem retirada da net e manipulada por mim

Hoje, a caminho do Metro, confessei:
-Não sou feliz neste trabalho.
Abateu-se o silêncio. Olhámos um para o outro e eu encolhi os ombros, não adiantava dizer mais nada. Despedi-me e segui na carruagem que me levava ao destino.

Reflecti sobre o assunto e percebi que a verdade é incontornável. Não me sinto feliz a fazer o que faço. Não há motivação, não há reconhecimento, não há alegria no trabalho. Estava habituada a trabalhar com uma equipa grande, jovem, num ambiente descontraído, com alegria e amizade. Hoje, o que vejo é cinismo e hipocrisia. Pessoas que só se acusam nas costas. Horas e horas de escárnio e mal dizer. Não há uma palavra de alento, uma orientação construtiva.

Nunca neguei o corpo ao trabalho. Durante 6 anos, trabalhei 12 horas por dia, sem pestanejar. Em prol de uma equipa forte, uma equipa com alma. Fazia-o com gosto e dedicação. Encontrei muitas vezes palavras de incentivo, de apoio moral. Contei com grandes mestres, pessoas que me ensinaram o que sei hoje, que apostaram em mim. Nunca neguei o corpo ao trabalho, mas nego-me a este mundo político, cheio de hipocrisia. Repleto de pessoas egocêntricas que não olham a meios para ter a sua ascensão.

O dinheiro não é tudo, é o que vos digo.

10 comentários:

  1. Também o sinto. O dilema, o grande dilema, é que esse trabalho que não me faz feliz, neste momento, é o único garante da qualidade mínima da família. E contra factos, não há argumentos. Há a realidade pura e dura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que quem tem emprego a esta altura, não devia chorar de barriga cheia mas...enfim, mereço pelo menos o desabafo.

      Eliminar
  2. Há que lutar sempre por nos sentirmos bem o que fazemos pois é onde passamos metade (por vezes mais de metade) do nosso tempo!

    Força amiguita!

    Um beijo carinhoso xxxx

    ResponderEliminar
  3. Foram 26 anos na Banca a dar o litro, a pagar impostos bem altos, e eu ainda me queixava... hoje o Estado trata-me bem pior, nem os direitos adquiridos respeita.
    Bom feriado!

    ResponderEliminar
  4. É tanta a porcaria que sai da boca dos governantes, que o papel higiénico é mais feliz do que a escova de dentes...

    ResponderEliminar
  5. Olá Marta;
    "A utopia está lá no horizonte.
    Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos.
    Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos.
    Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei.
    Para que serve a utopia?
    Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar."
    ~Eduardo Galeano
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  6. Penso que deva procurar um trabalho que a satisfaça. Sem sair deste, porque não dá para deixar de trabalhar. Mas quem sabe se depois da confissão feita a si mesma poderás dar o segundo passo, aquele que te fará mais feliz e realizada. Desejo-lhe uma boa jornada em busca de melhores dias. Deseje a mim também, minha amiga. Ando a procura... a procura.

    Beijos e força
    Carolina

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente o que tu tinhas é a excepção da regra, o cenário que vives actualmente é o mais normal. Beijoca!

    ResponderEliminar
  8. Como te entendo, percebo, compreendo!.. Um ambiente desses, embora com normais altos e baixos, não se tem em qualquer lado. Mas é verdade, é possível e existe! =) Embora tenha ficado "muito bem" esse ambiente é insubstituível, há coisas que o dinheiro não paga.

    Só te digo uma coisa: JANTAR DE NATAL 2013!!!! :)

    Bjs
    Miss all that*

    ResponderEliminar

Talk to me ;)