sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Levar um puxão de orelhas


Significado: Repreender.
Origem: As Ordenações Afonsinas ordenavam que os ladrões tivessem as orelhas cortadas. Vasco da Gama relatou o corte de 800 orelhas e Gomes Freire de Andrade recebeu 7800 delas. Mais terde, as orelhas deixaram de ser cortadas e passaram a ser apenas puxadas.

Expressões populares 3/30 - Sabedoria dos pacotes de açúcar Chave D´Ouro.



quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Reunião de pais (round 3)


Mais um ano escolar, mais uma voltinha! É pró menino e prá menina, vamos lá.

Reunião de Pais, sala 5, 7º E. Ao todo 27 alunos e 9 pais presente na reunião, um mimo. Como sempre a malta tem sempre mais do que fazer do que ir à reunião de pais. Será que me posso considerar uma desocupada (havia para ai um comentário que roçava esta opinião)?
O vazio da sala já não me assusta, já vou no terceiro ano consecutivo de eventos como este, e já se sabe que seria um milagre estar lotação esgotada, até porque ninguém dá pipocas.

Apresentação da DT aos pais, entrega de papelada, esclarecimento de dúvida e eis que alguém põe a mão no ar, pedindo educadamente a palavra. A DT acena com a cabeça, dando a devida autorização, para que a senhora exponha a sua dúvida e esta diz com um ar meio grosseiro:

-Ó DT, desculpe lá...mas que história é essa do meu filho faltar às aulas e eu ter que pagar uma multa? É preciso ter lata, então ele é que falta e eu é que pago??? Que culpa tenho eu?

OMG!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

De todas as cores e feitios

Fotografias tiradas em Setembro 2012 - Marta Vieira Pereira


domingo, 23 de setembro de 2012

Ruído de fundo

Imagem retirada da internet

Qual a diferença entre um concerto pago e um concerto de entrada livre?

  • Quando se paga para ir ver um concerto, estamos interessados em ouvir o que se canta no palco e não para meter a conversa em dia com a pessoa que nos acompanha. 
  • Quem se paga para ir assistir a um concerto, aproveita e crava a mãe ou a sogra para ficar com os pequenos, e não os leva de atrelado, para depois ter que os ouvir chorar o concerto todo porque na verdade, para a criança, aquilo é uma seca.
  • Quem se paga para ir a um concerto, não refila, constantemente, com as luzes do palco, a forma como o vento lhe bate na cara, o chão que é irregular, ou o raio que o parta.
  • Quando se paga para ir a um concerto, não estamos a comentar de cinco em cinco que minutos, que mais valia não ter ido porque a única música que conhecem ainda não foi cantada. Bahhh.
E é isto! Em concertos de entrada livre, ouve-se de tudo menos quem está no palco.

Reflexão feita após a tentativa de assistir ao concerto do Ney Matogrosso, no Terreiro do Paço.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Esqueci-me de contar até dez


Está mais do que provado, quando me fazem saltar a tampa é difícil manter a calma.

Há dois dias que a vizinha do 3º andar anda a chatear a vizinhança. Desde martelar às 4h00 da madrugada, até mandar baldes de água pela janela para o andar de baixo. Eu, como moro no 5º andar e não gosto de confusões tenho-me mantido longe. A tipa parece estar louca, completamente louca.

Ontem ao final da tarde, a tipa vai tocar à porta da vizinha do 3º esquerdo e pede-lhe para que esta a deixe entrar e saltar para a sua varanda porque deixou a chaves em casa. Claro que não teve sorte, pois ninguém é louco ao ponto de deixar esta senhora, que está demente - deviam ver o aspecto dela - andar a brincar à mulher-aranha. A sugestão que recebeu foi de chamar os bombeiros. Posto isto, a fulana não vai de modas, fica sentada à porta da vizinha e decide chamar-lhe tudo e mais alguma coisa. Atenção, durante horas.
Não me meti, não era comigo. A vizinha chamou a polícia, depois de se fartar de tantos nomes e ameaças. A policia chegou, falou com a tipa e levou-a. Mais tarde os Bombeiros trataram do serviço.

Vingativa como é, hoje de tarde, começou a chamar nomes à vizinha, esta tem setenta e alguns anos e vive com o marido que é deficiente. Eu espreitei e pensei  - não é nada comigo, não me vou meter!

De repente vejo a besta a forçar a porta da vizinha e a outra mal a conseguia fechar, ou seja, a tipa ia literalmente fazer a folha a uma mulher que tinha idade para ser mãe dela.

BASTA! Caraças pá! Isso é que não. Galguei escadas a baixo e só parei com as minhas mãos no pescoço da franga. Grhhhhhhhh. Não cheguei a dar uma valente murraça nas trombas porque percebi que a tipa ficou assustada por ter aparecido assim de rompante, afinal, ele só está habituada a ameaçar velhinhas. Protegi a vizinha, colocando-me à sua frente, e disse à labrega que da próxima vez que ela se metesse com qualquer pessoa do prédio que lhe partia os dentes todos que tem na boca. Grhhhhhhhhhaaaaaaaa. Filha da p*ta, tirou-me mesmo do sério.

Claro que agora, mais calma, acho que devia ter contado até dez (ou cem) e gerido a situação sem...uma vertente tão física, mas não suporto injustiças. Fico mesmo passada dos carretos.

Nota: Isto aconteceu há 1 hora, mais coisa menos coisa, confesso que este post é uma espécie de terapia.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Filatelia

Já há alguns anos que colecciono selos. A filatelia exige muito de um verdadeiro apaixonado, pois o tratamento é demorado e cuidadoso, mas confesso que me dá um gozo imenso. Gosto de ficar uma tarde inteira entretida a colocar os selos de molho para lhes retirar a cola e depois, seco-os com minucia para os posicionar na página devida, do país a que pertencem.

Tenho selos do mundo inteiro e algumas relíquias.
 Há selos para todos os gostos e sobre todos os temas.
 Aqui está umas das minhas relíquias.
 Na minha colecção não podia faltar selos egípcios. 
  E Carolina, também tenho muitos do Brasil, fica aqui uma pequena amostra ;)
 Alguns foram oferecidos por amigos que sabem como gosto disto.
  
Tenho colecções completas de alguns países, e esta, demorou alguns anos.
  O álbum foi caríssimo e tenho de comprar um novo porque este já está lotado.
 Um agradecimento especial para todos os que me foram ajudando a juntar este tesouro.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Be aware with 707

Imagem retirada da internet

E como no poupar é que está o ganho, aqui fica uma informação que considero útil relembrar.

As linhas telefónicas de apoio ao cliente começadas por 707 são uma verdadeira chulice (pardon my french), um verdadeiro roubo na nossa conta telefónica. Primeiro, cada minuto chega a ser entre 0,10 a 0,30 cêntimos mais caro (conforme a sua origem) que o custo de uma chamadas local, e depois, porque o IVR (Interactive Voice Response) que nos atende, está paremeterizado para nos fazer andar a seleccionar botões e mais botões enquanto nos queima uns quantos €.

Assim sendo, fica a informação que considero útil relembrar:
  • Número Verde (800) - chamadas gratuitas
  • Número Azul (808) - custo de uma chamada local
  • Número único (707) - Chamada de valor acrescentado cujo custo é suportado por quem liga e paga conforme o tarifário que está a utilizar.

Quando preciso mesmo de ligar para um 707, verifico sempre primeiro se no site não existe o click to call, é só colocar o nosso contacto e eles ligam-nos de seguida e quem paga são eles.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Around the world


Fotografia tirada com o telemóvel - Galaxy Nexus ;) (eh eh)

Andei a fazer limpezas no escritório (em casa) e nem imaginam a quantidade de papel que coloquei de parte para reciclar, nem mais nem menos que um saco do IKEA, daqueles azuis que se compram por 0,50€ e que servem para tudo e mais alguma coisa. No meio dos papeis para arquivar, estavam alguns postais dos locais que já visitei. Tenho uma boa colecção deles, pois trago sempre uma mão cheia de cada uma das cidades que visito.

Aproveitei para guardar as revistas da Nacional Geographic dos últimos meses (sim, também as colecciono), e de dentro de uma delas, saltou um mapa mundo.

Lembrei-me de criar mais um canto especial numa das minhas paredes laranja. Depois de marcar todos os locais "been there" percebi que há uma grande tendência para a Europa e o Norte de África. No mapa também aparece a minha viagem bónus à Costa Oeste dos Estados Unidos, um milagre do tempo das "vacas gordas" em que a empresa me...como dizer... premiou com uma viagem de 11 mil euros. 3 dias em Los Angeles, 3 dias em Las Vegas e 3 dias em São Francisco, incluindo até uma viagem de helicóptero pelo Grand Canyon. Ahhhhhh bons tempos.

domingo, 16 de setembro de 2012

Leitura de Verão (juvenil)


Este Verão, a B. teve muito tempo para ler, já que a perna engessada não lhe permitiu grandes aventuras. Comprei-lhe uma série de livros para que pudesse matar o tempo e de entre as minhas escolhas ela elegeu o seu favorito. Devorou em dois dias ;)

A História da Pintura
"Das primeiras pinturas rupestres às modernas obras-primas, esta obra acompanha a história da pintura desde a alvorada dos tempos até aos nossos dias. Pelo caminho, encontrarás muitos factos fascinantes, histórias intrigantes e a revelação de alguns truques desta arte. Prepara-te, portanto, para descobrir como os antigos gregos faziam tintas à prova de água, quem eram os iconoclastas e por que motivo destruíam imagens e, ainda, ficar a pensar diante do misterioso sorriso de Mona Lisa... Público-alvo: + de 10 anos."

Fica a sugestão para quem tem filhos/sobrinhos/enteados ou afilhados com mais de 10 anos.
O próximo já está a caminho.

Imagem retirada da net.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Recomeço


Fotografias dos recortes dos dois jornais que mencionavam a notícia.

Não foram poucas as vezes que tive de recomeçar, mas a mais dolorosa, foi no quente mês de Agosto de 1998. Estava a passar o fim de semana na Costa da Caparica com familiares e o meu namorado, de quem estava noiva. Na noite de sábado, depois do jantar, os mais velhos sentaram-se no terraço a jogar às cartas. Eu, estava cansada e acabei por adormecer.

Era madrugada quando o meu namorado me acordou. Ainda hoje me lembro do que vi nos olhos dele - o medo. Queria dar-me uma má notícia, mas queria encontrar a melhor forma do o fazer, no entanto, não há uma boa forma de dar uma má notícia, esta é o que é, má!

A minha casa estava a arder. O que se sabia era pouco, apenas algumas palavras que lhe balbuciaram ao telefone, articuladas por alguém ainda incrédulo do que estava a acontecer. Na minha casa, local do incêndio, estava a minha avó paterna, o meu tio e a minha gata. O meu primeiro pensamento foi de que estas vidas estariam em perigo e pedi ao M. que me levasse até Lisboa. Pedi-lhe com os olhos cheios de lágrimas e o coração na boca. Voou pela Ponte 25 de Abril. O carro parecia rasgar a estrada, sem que dali houvesse qualquer tipo de atrito, que nos atrasasse um minuto que fosse.

Cheguei a minha rua e o aparato era hollywodesco. O prédio já não estava em chamas, mas havia mangueiras e água por todo o lado. Em cinco andares, os três últimos estavam completamente destruídos. O meu era o 4º e o fogo começara no 3º. A minha avó, felizmente, tinha sido socorrida pelo meu tio, que com uma toalha molhada, a tinha arrastado daquele inferno. Salvaram-se os dois.

No meio de toda aquela confusão, os bombeiros com a cara cheia de fuligem, as pessoas na rua de pijama e camisa de noite, o choro dos mais receosos, o cheiro...o cheiro era insuportável, tudo parecia caótico. Insisti com o comandante dos Bombeiros para subir, não via a minha gata e sabia que ela não iria ceder a ninguém de tão rebelde que era. Se estivesse viva, queria ser eu a ir busca-la. Demorou até conseguir convencer alguém. Chorei e pedi por favor, mas sempre lúcida o suficiente para perceber que o que estava a pedir era um perigo. O edifício estava em rescaldo e os bombeiros ainda não tinham desistido daquela missão.

Um deles deu-me a mão. Subimos cada degrau como se a nossa vida dependesse disso. Meti a mão na parede para me equilibrar e senti o calor que parecia devorar o interior do que era a barreira entre o cá e o lá. O cheiro era insuportável. Entre o estalido da madeira queimada, que estava agora ensopada em água, e o cheiro, estava apenas privada de um dos meus sentidos, a visão. Não se via nada, pois não havia corrente eléctrica e a lanterna do bombeiro parecia ser tão fina como uma agulha no palheiro.

Cheguei ao meu andar com as pernas a tremer. Não queria acreditar, que tudo o que materialmente representada a minha vida, estava agora reduzido a pó. O meu quarto havia desaparecido e com ele foram as fotografias, os livros, as lembranças. Ficaram apenas as memórias. No meio dos escombros, em cima de uma pilha de madeira que era, num passado recente, a minha cómoda, estava uma caixa pequena derretida. Percebi que tinham resistido ao fogo, as nossas alianças. De resto, não sobrou mais nada. Só para terem ideia, o meu espólio era uma pequena mochila que tinha levado para passar o fim de semana. Um vestido, um bikini e uma toalha de praia, uma t-shirt e uns calções, a carteira com o meus documentos. Tudo o resto foi-se, assim, numa noite.

O incêndio deu-se no dia 08 de Agosto de 1998 e eu casei a 09 de Setembro desse mesmo ano. Hoje, ao relembrar o passado, percebo o porquê do meu olhar triste nas fotografias de casamento. Para mim, a desgraça era demasiado recente. Recomeçava agora uma nova vida, mas com a memória de uma noite que tento esquecer todos os dias.


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Borgia

Está para breve o regresso desta série e eu já estou sentadinha no meu camarote a aguardar ansiosamente. Adoro séries de Época e esta é mesmo o meu género ;) 
Por isso hoje vou meter a box a "bombar" durante as próximas semanas para depois poder ver tudo de enfiada.

Para quem estiver interessado, começa hoje a 2º temporada no AXN, às 22h25.



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

I wish...

Imagem retirada da net

O meu sonho era ter um armário assim. Ainda para mais porque adoro ver tudo arrumadinho. Já diz a minha irmã que sou louca, porque arrumo a roupa por tamanho e por cores. Na verdade, primo pela arrumação e gosto de ver cada coisa no seu lugar. E não são só os armários, mas também nas gavetas. E nem me venham dizer que não tenho o que fazer e blá-blá-blá, porque eu cá tenho tempo para tudo, até para arrumar a roupa interior por cores ;)

Nota: Se estavas à espera de encontrar algo relacionado com a crise ou com o Orçamento de Estado, dá meia volta, aqui, não se fala na crise, essa sente-se no bolso, mas como me dá amargo de boca, prefiro deixar esse tema para outros fóruns.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Comer muito queijo

Imagem retirada da net

Significado: Ser esquecido; ter má memória.
Origem: A origem desta expressão portuguesa vem dos séculos anteriores em que era estabelecida a causalidade entre a ingestão de lacticínios na diminuição de certas faculdades intelectuais, como a memória. Porém, sabe-se hoje, que o leite e o queijo são fornecedores privilegiados de cálcio e de fósforo, importantes para o trabalho cerebral.


Expressões populares 26/30 - Sabedoria dos pacotes de açúcar Chave D´Ouro.


Eu *adoro* queijo ;)

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Queda para o desenho...

...onde é que ela já vai, a queda, quero eu dizer.
Quando era miúda - jovem, vá - tinha algum jeito para o desenho. Sem saber ao certo a razão, acho que perdi esse dom. Hoje, já não consigo ter esta criatividade. Ficam apenas os quilos de papel que tenho guardados de um tempo áureo, onde o lápis parecia viver colado á minha mão.



Desenhos feitos por mim antes de virar o milénio.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Eram favas contadas

Imagem retirada da net

Acho que já sou de novo uma pessoa normal. É isso mesmo. Até há relativamente pouco tempo, não era uma pessoa normal, juro que não. Ora vejamos: quem é que em seu pleno juízo fica triste quando chega à sexta-feira e bate palmas com o chegar da segunda-feira? Digam-me, quem? E tem mais! Quem é que de mente sã se priva de ir de férias porque acha que vai fazer falta? Quem???

Pois é. Era assim, mas acabou. Agora, até conto os dias para a minha alegre noite de sexta-feira e na segunda, levanto-me contrariada porque lá vou eu fazer uma "pega de caras". Ahhhh como é bom ser normal.

E mais ainda. Tinha muito a mania de "queres as coisas bem feitas, faz tu!" mas isso também mudou. Se há coisas que não quero é ser insubstituível e, por isso mesmo, já deleguei tudo o que tinha para fazer durante as duas próximas semanas e...atenção...VOU DE FÉRIAS!!!

Ai que maravilha, senhores!
O que eu esperei por estas duas semanas.
Fui!

Nota: É impressão minha ou assim de repente, na foto, parece que há uma série de cus? Ah...never mind...estou mesmo a precisar de férias, é isso.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Todo o meu respeito

Imagem retirada da net

Já diz a minha avózinha "Só nos lembramos de Santa Bárbara quando chove".
O mesmo se passa com os bombeiros. Ninguém se lembra destes nobres homens a não ser nos incêndios e nas cheias. Os soldados da paz arriscam a sua vida para nos proteger, muitos deles voluntariamente e sem receber nada por isso, ainda assim, nestas alturas "quentes" é ver o povo a encher a boca de palavras para atacar as corporações de bombeiros. Estes homens lutam sem meios, muitas vezes em condições extremas e ainda assim, são criticados porque não chegam a tempo ou porque são poucos para o combate às chamas.

Não consigo entender esta gente, juro que não!

Triste é ver o país em chamas e perceber que não se dá valor a quem ainda luta por nós. Os bombeiros não foram elegidos por nós, não fizeram campanhas regionais onde se oferecem almoços em troca de votos, nem nos prometeram mudar Portugal, ou mesmo contrariar a crise do país.

Estes são os homens que nos defendem de forma incondicional e são estes os homens que devemos respeitar.


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Follow me! (parte IV)


Será possível? 
Já passamos a barreira dos 200.

Resta saber, se não estou a contaminar uma pequena parte da blogosfera, com a minha "bipolaridade" (nome pomposo para justificar os altos e baixos da minha presença e escrita, na verdade é só mesmo mau feitio). 

Venham mais cinco ;)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Ao ritmo das palavras


A minha homónima quer-me ver mais activa no blogue e, por isso mesmo, resolveu presentear-me com este Selo. Vocês sabem que não é fácil para mim cumprir as regras dos Selos, mas a verdade é que este, foi atribuído de forma tão carinhosa, que não consigo dizer não.

Rules:
  1. Criar uma frase original e publica-la
  2. Passar o Selo a cinco Blogs
E agora...atenção (o rufar dos tambores)...o momento mais esperado do dia...a minha frase.

Nada do que fiz no passado me envergonhará no futuro, hoje faço o que preciso, amanhã recebo o que mereço.

Depois deste momento de reflexão, passemos então a nomear os cinco blogues escolhidos, aos quais desafio a partilharem connosco uma frase de sua autoria (ah ah que nunca será tão boa quanto a minha):

Guardador de Estrelas - Que irá ligar o seu alien mode e enriquecer-nos com a sua sabedoria
Café com Canela - Que com a sua sabedoria saberá responder prontamente a este repto.
Pé de Meia - Que quase todos os dias nos brinda com um pensamento, mais um não será difícil.
Catarina e o sabor a Maça - Que precisa de motivação. Aqui está!
Martini Bianco - Que tal como eu, não gosta muito desta coisas, mas que pode pelo menos, dar o prazer de partilhar connosco uma frase de sua autoria (até pode ser sem selo).

Nota: Ai daquele que negar à partida uma ciência que desconhece. Aceite o desafio ou então vai ficar com uma dor nos rins durante, pelo menos, duas semanas.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Companhia oriental


Fotografia tirada com o Galaxy Nexus - Santarém - Setembro de 2012

E sai o Zink e entra o Murakami.
Uma vez que o Hotel Lusitano está "arrumado", fui à estante buscar o meu terceiro livro de Haruki Murakami. Em Busca do Carneiro Selvagem, chega depois de ler Kafka à Beira-Mar e de After Dark. Desta vez, vamos sair em busca da "lãzuda" de olhos azuis. Vamos os dois, de mão dada, de capítulo em capitulo, decifrando estas suas aventuras mirabolantes. Seja sentada no jardim à sombra, quer na Avenida pela hora de almoço, ou mesmo à noitinha antes de chegar o sono.

Depois deste, ainda tenho um quarto livro em casa...não tarda tenho a colecção completa.

Fotografia tirada com o Galaxy Nexus - Santarém - Setembro de 2012