terça-feira, 1 de maio de 2007

Amar!


Está na estante, num lugar de destaque.
A sua lombada sobressai de entre os outros e é sem dúvida o que acumula menos pó, pois são tantas as vezes que o tiro e releio uma vez mais as páginas que tão bem sei de memória.
Mais uma vez te trago até mim…
E aqui deixo um dos poemas que hoje me diz algo mais…mais do que de todas as outras vezes que o li.

Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui…além…
Mais Este e Aquele, o Outro e a toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É o mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois de Deus nos deu voz, foi para cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder…pra me encontar…

7 comentários:

  1. Um poema belo, escrito por alguém também belo, lido por alguém que se quer igualmente belo.

    ResponderEliminar
  2. O meu preferido é o "Se tu viesses ver-me hoje à tardinha..."

    ResponderEliminar
  3. Como diz a outra: "Muito Lindo!"
    Gosto bastante mas acho que já te tinha dito.
    Também conheço a "versão cantada".

    ResponderEliminar
  4. dizer que gostei das tuas palavras...mas este dizer soa me a banal, por isso sorrio em tom de prazer pelas tua palavras...
    beijo vagabundo

    ResponderEliminar
  5. São tantos os poemas que eu gosto da Florbela Espanca...no entanto vou escolhendo um ou outro com mais significado no momento, para partilhar convosco.

    Obrigado pelos vossos comentários...sem eles o blog não é nada ;)

    Beijos para os 4

    ResponderEliminar
  6. todos nos temos uma primavera, e é sempre bom sentir a natureza fluir

    Parabens pelo poema

    ResponderEliminar
  7. Chinchilla14.5.07

    Just Stoping by to say hello!

    ResponderEliminar

Talk to me ;)