sábado, 21 de abril de 2007

Uma destas noites...


…sonhei que ia a subir a minha rua e deparei com uma fila de gente que parecia ser para o autocarro ou coisa parecida, não consegui definir.

Em vez de seguir o meu caminho deixei-me ficar na fila e fiquei a mirar um fulano que estava logo à minha frente. Era muito interessante, uma cara familiar no entanto um desconhecido.
Deixei-me ficar na fila, subindo lentamente a rua e sempre fitando o olhar dele.
Quando cheguei à minha porta, deixei a fila e tirei a chave do bolso, denunciando o meu destino.
Ele olhou para trás estranhando a minha permanência na fila quando o destino era outro.
Olhamos os dois para trás, rimo-nos…eu hesitei entrar no prédio, ele hesitou seguir na fila, voltamos a olhar…e eu parei, não abri a porta, ele não deu nem mais um passo em frente. Em vez disso virou-se e veio até mim.


Lembro-me bem dos olhos, do ar meigo.

Lembro-me bem do sorriso.
Sinto ainda em memória o cheiro.
Ficamos a olhar e a rir um para o outro.
Não me recordo de ter trocado palavras.
Recordo-me apenas que éramos feitos um para o outro.

Queria voltar, queria dormir de novo e sonhar com ele.

Como é possível criar-mos alguém em sonhos...alguém que não existe?

sábado, 14 de abril de 2007

A Primavera em flor...


O aroma das flores impera ao amanhecer...
Nada melhor do que um fim-de-semana no campo para carregar baterias.
Esta semana deixou-me cansada. Depois de duas semanas de férias já tinha perdido o ritmo...profissional.
Cheguei numa altura de mudanças.
Ao que parece também no meu caso haverá mudanças.
Espero que sejam positivas, pelo menos vou fazer por isso.
Acho que nesta altura da vida será um "mal" necessário.
Um novo objectivo, uma nova ambição.
Quem sabe o ano de 2007 não é mesmo o ano de viragem.
Quem sabe não chegam boas novas.
Quem sabe não chega o que tanto espero.

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Estou de volta...


Fui e levei a mala vazia e o coração cheio…
A minha cabeça latejava de tanta confusão, de tanta coisa por resolver.
Viajamos e tudo fica para trás.
Parece que o tempo parou.
Voltei e está tudo como estava, nada mudou.
Voltei e trouxe a mala cheia e o coração vazio…
Cheio de saudade, apertado…pequenino…
Voltei para a cidade que amo, para as pessoas que amo.
Voltei carregada de saudade e com o mesmo sentimento de quando parti…

Amanhã volto ao ritmo diário...e tudo estará igual.

O que seria de mim se não fosse estes pequenos intervalos de vida?