quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Enquanto a cidade dorme...


Ontem à noite corri mais uma vez os cantos mais inóspitos da cidade.
Os sem abrigo recorrem a todas as arcadas que os possa acolher do ar gélido que assombra a Baixa, aquela hora da noite. Os cartões são o seu maior tesouro, pois retêm o calor dos seus corpos, fazendo com que o tormento da noite não seja tão insuportável.

Todas aquelas pessoas deambulam durante o dia de um lado para o outro, de uma forma mecânica, aguardando desesperadamente, que todos os transeuntes deixem a cidade e sigam caminho para suas casas. É a única forma de se poderem nos seus nichos habituais sem serem importunados. Nichos esses que são quase sempre frentes de lojas, com arcadas e com alguma iluminacão. Acho que a luz os conforta.

Em plena Almirante Reis a maioria deles deitam-se nas tais arcadas de lojas de móveis, o grande monopólio da zona. Imaginem o que será adormecer sobre o chão de pedra, frio…sujo…com o corpo magoado do desconforto, olhando para uma cama, com todo o seu luxo e esplendor.
É uma imagem cruel.

Este é um pedaço do mundo que já faz parte do meu quotidiano.
Sei que o que faço não é muito, mas é o que posso e sei que pelo menos aquela refeição eu consigo garantir-lhes. A refeição, uma palavra amiga, um pouco de companhia.

Este, seria um mundo melhor se não existissem pessoas com estas necessidades, mas se existem e este não é um mundo maravilho porque não fazer a diferença? Porque não dar a mão?

4 comentários:

  1. Depois de ler este post,fiquei pensativa e parada por alguns segundos,eu não tinha pensado neles,
    nos sem abrigo.
    Que enquanto eu dormia no conforto da minha cama, com o aquecimento ligado
    a noite toda , hã pessoas que nem um teto têm,e dormem em condicões desumana.É A INJUSTICA DO MUNDO.
    UM BEIJO

    ResponderEliminar
  2. Fazes parte dessas equipas voluntarias que dão algum conforto aos sem abrigo? Parabens pelo altruismo... deviamos ser todos um bocadinho assim....

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Se a ajuda que ofereces te ajuda (e passo a redundância) de alguma forma...tanto melhor!

    ResponderEliminar

Talk to me ;)