quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

Completamente pendurado...


Desde do inicio do ano que oiço dizer: Ano novo, vida nova…
Porquê, pergunto eu! Porquê esperar por esta data do ano para mudar seja o que for? Será que a viragem do ano nos dá mais entusiasmo, mais força no leme?

Eu cá acho que nada mudou.
Fiz um balanço…

Ora, há 1 ano atrás eu estava onde?
Hum…a esta altura do ano sei que estava com o coração feito em pedaços. Vivia uma paixão, que embora estivesse “morna” ainda me ocupava a mente. Entre idas e vindas nada se resolveu. Estava a alguns dias de comprovar que afinal nada era o que parecia.
Estava a uns passos de passar uma das noites mais longas da minha vida.
Tinha passado uma noite de final de ano menos mal, em companhia de alguns amigos, num ambiente confortável. No meio surgiram alguns mimos…estava de facto a entrar de pé direito no ano de 2006 (ou achava eu).
Surgiu uma questão que até hoje ficou por responder.
Nunca consegui ser muito directa no que toca a coisas do coração, como tal não soube, ou não quis responder…e ficou sem resposta. Hoje, sem duvida alguma consigo responder prontamente, no entanto não me parece provável ouvir novamente essa questão.
Sim, a resposta era SIM.

365 dias depois alguma coisa mudou, ajudou a ausência, o afastamento. Os momentos passaram a ser relembrados apenas, alguns com saudade, outros nem por isso.
Passei um ano a tentar agir de uma forma racional, deixei de ouvir o coração e deixei a razão tomar conta de mim. Terá sido melhor? Não sei! Não sei mesmo, talvez sim porque deixei de ter dissabores mas talvez não porque deixei de viver aqueles momentos que eram únicos.

Durante este ano de 2006, surgiu algo de novo.
Um grande amor embora apenas platónico. Um sentimento que não sei exprimir. Alguém com quem me apetecia estar sempre. Um sorriso franco que me fazia falta. Alguém que me deixava com a pele arrepiada ao mínimo toque. No início deixou-me confusa, até porque ainda estava meio tonta da “queda” que tinha dado. Houve alturas em que foi dificil diferenciar as coisas.
Hoje, mais madura, compreendo que é um amor puro. Amor de amigos.
Não sabia que era possível nutrir este tipo de sentimentos sem que a sexualidade fosse um elemento essencial. É isso mesmo, sem exigências, um amor honesto, nem infidelidades. Tão puro que só mesmo a paixão poderia arruinar. É amor sem paixão, amor sem desejo. Este amor fez-me feliz e veio para ficar.

2006 foi definitivamente o ano da melhor "colheita" de amigos, bons amigos.

Resumindo e baralhando
Comecei o ano a pensar no passado e vejo que por mais que escreva não consigo, de todo, eliminar os fantasmas do meu armário. Não sei que coisa é esta…que fixação pelo passado.
Sinto falta de muita coisa…definitivamente os assuntos de coração são deveras complicados e não se resolvem que a viragem do ano, não mesmo! Mas sei que estes próximos meses vão trazer novidades...e isso é o que importa. Não desisto fácil e já tenho o roteiro na mão para continuar a minha grande caminhada em busca do meu "Santo Graal"

3 comentários:

  1. Anónimo4.1.07

    Things change.

    ResponderEliminar
  2. Sabes uma coisa?

    Também eu passei a noite de passagem de ano em casa. E sabes porque? Porque, como diz o outro, "viver todos os dias cansa" e eu tirei essa noite precisamente para descansar!!!

    Feliz 2007.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Hummmm - Santo graal - codigo da vinci - da vinci - gioconda... eu bem me parecia que nos tinhamos qualquer coisa em comum.... tou a brincar.
    espero que sejas bem sucedida nessa tua caminhada... feliz 2007. O meu infelizmente não começou da melhor maneira, mas enfim....

    ResponderEliminar

Talk to me ;)