quarta-feira, 29 de novembro de 2006

De volta às ruas.


Ontem foi noite de voltar às ruas.
O ar gélido consumia-me a face que teimava em se manter vermelha, como o sangue que a grande velocidade me corria nas veias. Estava a mil. Esperei duas semanas para voltar a fazer o percurso que tanta esperança me dá.
A ronda foi a mesma de há quinze dias e por isso mesmo revi os mesmos rostos, os mesmos olhares só que desta vez com uma angústia agravada, trazida pelo frio.
A carrinha, já por eles tão conhecida, chegava com a refeição da noite mas reparei que os seus olhares caíam em busca de roupa e cobertores. Com esta vaga gelada o que os preocupa é saber que vão enfrentar a noite com a roupa que têm no corpo, alguns com sorte, contam com o cartão que lhes serve de resguardo, ou então com o fiel animal que os aquece durante a madrugada.
Não havia mantas e cobertores suficientes para todos…alias, poucos haviam.

Encontrei a mesma velhinha, sozinha em Santa Apolónia, a fumar a sua beata…pensativa, como se nada mais em sua volta existisse. Deixei-lhe um saco de comida e um copo de leite. Não foi preciso ouvir a palavra obrigado. A sua gratidão foi-me transmitida pelo olhar, durante o breve momento em que voltou à realidade. Olhar doce…rugas da vida.

Sempre que venho da “volta” sinto-me mais leve, os meus problemas, pequenos problemas dissipam-se e tenho noção de que cada vez mais tenho menos razões para me lamuriar da vida.

Não tenho tudo o que quero mas tenho tudo o que preciso.

3 comentários:

  1. És uma mulher bonita...
    O teu interior então... Sem palavras!
    Tens o meu respeito e admiração!


    Miau do gato

    ResponderEliminar
  2. É em situações limite que o homem consegue olhar para dentro de si e perceber a sua riqueza. Porque o nosso pouco por vezes consegue ser tanto.

    É de salientar o alerta social contido neste post: parabéns Marta! É importante divulgar/denunciar

    ResponderEliminar
  3. É mesmo como tu dizes...face a vida dessas pessoas, como é que nos podemos queixar das nossas?

    Beijo e até já...

    P.S. - Quando tiveres mais em baixo e não puderes ir dar a tua voltinha de ajuda a quem precisa, volta ao YouTube e revê a Ana Mamalhoa! É gargalhada na certa.

    ResponderEliminar

Talk to me ;)